Criatividade em favor da economia em Santa Catarina.

0

por redação Socialismo Criativo em 05/09/2018.

Florianópolis ganha projeto batizado de Observatório da Gastronomia.

 

Quando, em 2014, a chancela de Cidade Criativa foi dada à Florianópolis, o potencial turístico-gastronômico do município, conhecido pela produção de moluscos, passou a ser trabalhado de forma mais direcionada. Agora, quatro anos depois de entrar para a lista de Cidades Criativas da UNESCO, a capital catarinense ganhou o Observatório da Gastronomia, que pretende mapear e tornar acessíveis – através de uma plataforma digital – informações acerca da cadeia produtiva da Gastronomia na cidade, em suas mais diversas tangências, e considerando o setor como um importante eixo de desenvolvimento socioeconômico. 

“Será uma ferramenta para divulgação de produções científicas, técnicas e ações culturais, servindo de base para a geração de conhecimento, fomento de políticas públicas e estímulo à cadeia produtiva da Região Metropolitana de Florianópolis, além de servir de ferramenta de apoio para outras regiões”, explica Nathalia Bernardinetti, gestora da plataforma Observatório da Gastronomia.

Ao lado de Paraty, no Rio de Janeiro, e Belém, no Pará, Florianópolis está entre os três municípios brasileiros na lista de Cidade Criativa da Unesco na categoria Gastronomia. Através da nova plataforma on-line, estarão disponíveis notícias, pesquisas acadêmicas, vídeos, dados de cadeias produtivas e outras fontes que alimentem a proposta de difusão de informações sobre o tema central. Há, inclusive, uma seção chamada Espaço Colaborativo, para que o público possa disponibilizar materiais – de cessão autorizada – que tenham relação com o título que a capital catarinense carrega. “Também vamos buscar parcerias com os outros Observatórios no Brasil e do mundo que têm o foco na Gastronomia e Alimentação para compreensão, fortalecimento e desenvolvimento do setor”, destaca Bernardinetti.

A iniciativa do Observatório da Gastronomia, que foi lançado na última semana de agosto, é do Sistema Fecomércio SC Sesc/Senac e da Associação FloripAmanhã. A plataforma, através de seus conteúdos, é um reforço aos objetivos da Agenda 2030 das Nações Unidas. São eles: sustentabilidade, resiliência, inclusão e segurança alimentar.

Cadeia produtiva em números

Santa Catarina tem expressivos números na produção de ostras, mexilhões e vieiras, com cerca de 13 mil toneladas dos moluscos e uma receita bruta girando em torno dos R$ 66 milhões. Tais dados alcançados correspondem a mais de 90% do montante nacional e têm ingerência direta de 550 maricultores de 10 municípios do litoral, entre Palhoça e São Francisco do Sul.

No quadro da América Latina, o estado aparece como o segundo maior produtor de ostras, antecedido pelo Chile. Nesse cenário, Florianópolis participa ativamente, chegando a marcas como a de 2017, com R$ 11,5 milhões movimentados e uma produção próxima de duas toneladas de ostras, segundo o Centro de Desenvolvimento de Aquicultura e Pesca (Cedap) da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Epagri)

Diante de uma economia tão marcada no setor, o Observatório da Gastronomia tende a ser um reforço. As próximas iniciativas da plataforma focam no fortalecimento com parceiros da rede produtiva da gastronomia e na estruturação de um grupo de pesquisa multidisciplinar, potencializando ações políticas estratégicas para a área que colocou Florianópolis na Lista de Cidades Criativas da Unesco.

COMPARTILHAR

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here