CES 2019, a maior feira de tecnologia do mundo

0

Nesta semana, as novidades  na área de Inteligência Artificial e tecnologias atraiu atenções à Los Angeles.

As expectativas em relação às inovações tecnológicas alcançam diversas áreas de nossas vidas. Podemos imaginar um trabalho doméstico feito por um robô? Se utilizar a lavadora de roupas e o micro-ondas já ajudava nas tarefas em casa, imaginemos um robô que vai deixar as roupas dobradas. No CES – Consumer Electronics Show 2019, a maior feira de tecnologia do mundo, essa está sendo uma das grandes atrações: um equipamento fabricado para uso doméstico que dobra cinco peças por minuto. O evento, realizado desde 1967, veio se configurando como uma vitrine para as novas produções em Inteligência Artificial (IA).

Redação Socialismo Criativo. 10/01/2018.


por Agence France-Presse em 01/02/2019.

WASHINGTON – Sob a sombra das guerras comerciais, tensões geopolíticas e um declínio na confiança do público, o setor de tecnologia está tentando colocar seus problemas de lado com a Consumer Electronics Show, a extravagância anual que apresenta inovações futurísticas.

O evento comercial de 8 a 11 de janeiro em Las Vegas oferece um vislumbre de novos produtos e serviços destinados a tornar a vida das pessoas mais fácil, divertida e produtiva, abrangendo diversos setores como entretenimento, saúde, transporte, agricultura e esportes.

Dispositivos “inteligentes” que usam várias formas de inteligência artificial serão novamente um foco importante na CES.

É provável que os visitantes vejam telas de TV mais deslumbrantes, robôs intuitivos, uma variedade de dispositivos ativados por voz e monitores de smartphone dobráveis ​​ou de enrolar. Também serão exibidos refinamentos para o transporte autônomo e para os gadgets aproveitando as redes sem fio de 5G ou de quinta geração.

Mas a celebração da inovação será misturada com preocupações sobre a confiança do público em novas tecnologias e outros fatores que poderiam esfriar o crescimento de um setor econômico em expansão.

“Acho que 2019 será um ano de desafios relacionados à confiança para a indústria de tecnologia”, disse Bob O’Donnell, da Technalysis Research.

A CES apresenta 4.500 expositores em mais de 250.000 metros quadrados de espaço de exposição, apresentando inteligência artificial, realidade aumentada e virtual, casas inteligentes, cidades inteligentes, aparelhos esportivos e outros dispositivos de última geração. São esperados cerca de 182.000 profissionais do comércio.

MUITO ADO SOBRE DADOS

Haverá um foco na inteligência artificial que pode “personalizar” a experiência de um usuário com um dispositivo ou um carro, ou até mesmo prever o que alguém está procurando – seja música ou assistência médica.

Mas como esse ecossistema é construído em torno de dados, a confiança foi corroída por escândalos envolvendo o Facebook, o Google e outros guardiões de informações privadas.

“O público é cauteloso por causa de eventos recentes”, disse Roger Kay, analista e consultor da Endpoint Technologies Associates. “Acho que a indústria será desacelerada por esse ceticismo.”

Carolina Milanesi, analista da Creative Strategies, disse: “Você definitivamente ouvirá as pessoas falando mais sobre segurança e realmente observando como você protege os dados”, na CES.

COMÉRCIO DE FRICÇÕES

A Consumer Technology Association, que opera a feira, reconhece que o setor está sendo prejudicado por tarifas e atritos comerciais entre os dois maiores atores econômicos, os Estados Unidos e a China.

As tarifas sobre produtos de tecnologia saltaram para US $ 1,3 bilhão em outubro, de acordo com o CTA, aumentando os temores sobre o crescimento.

“É quase inevitável que ocorra uma desaceleração econômica se essas tarifas continuarem”, disse Sage Chandler, vice-presidente do CTA para o comércio internacional.

As questões comerciais EUA-China e a prisão de um alto executivo da gigante chinesa Huawei no Canadá colocaram em questão a “cadeia de suprimentos”, o sistema no qual os projetos norte-americanos são fabricados na China para o mercado global.

“Isso lança uma sombra sobre a CES”, disse O’Donnell.

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E PERSONALIZAÇÃO

O setor automotivo voltará a ter uma presença importante na CES, com a maioria dos principais fabricantes disponíveis, alguns com protótipos de veículos autônomos.

A montadora japonesa Honda estará mostrando um “veículo de trabalho autônomo” que pode ser configurado para operações de busca e salvamento, combate a incêndios e outros usos.

Outros expositores mostrarão tecnologia projetada para servir como “cérebro” de veículos autônomos, não apenas para navegação, mas para criar uma “experiência do usuário” melhor e mais personalizada para os viajantes.

O show inclui startups que oferecem soluções de atendimento médico “preditivas”, projetadas para antecipar o tipo de cuidado que os idosos podem precisar.

O reconhecimento facial, que já está sendo usado em muitos smartphones, será incorporado a veículos, campainhas e sistemas de segurança como parte dos esforços para aumentar a personalização e melhorar a segurança.

E o grupo de produtos de consumo Procter & Gamble, fazendo sua primeira aparição na CES, demonstrará maneiras de usar o reconhecimento facial e IA para melhorar as recomendações de beleza e cuidados com a pele.

As novas aplicações levantam questões sobre se os consumidores estão prontos para tecnologias que evocam a noção de Big Brother e um estado de vigilância.

Brenda Leong, consultora sênior do Future of Privacy Forum, um centro de estudos de Washington, disse que os consumidores devem estar cientes se os dados do reconhecimento facial são mantidos apenas nos dispositivos, como no iPhone, ou mantidos em um banco de dados.

“Mesmo que as instituições comerciais estejam coletando os dados, todos estão preocupados com o acesso do governo”, disse ela.

Patrick Moorhead, da Moor Insights & Strategy, disse que os consumidores demonstraram disposição para adotar essas novas tecnologias se oferecerem conveniência.

“Se eles são equilibrados do ponto de vista do benefício, essas preocupações vão desaparecer”, disse ele.

Moorhead observou que, como o reconhecimento facial se tornou um recurso padrão para muitos smartphones, “esses medos desapareceram”.

O’Donnell disse que os consumidores estão começando a entender mais sobre dados e se tornam mais exigentes sobre quais empresas e dispositivos eles confiam.

“A personalização é algo que as pessoas querem, e elas estão dispostas a abrir mão de alguma privacidade para obtê-lo”, disse ele.

“Mas se eles conseguirem personalizar o dispositivo sem enviá-lo para a nuvem, eles obterão os benefícios sem abrir mão da privacidade.”

Fonte: ABS-CBN Corporation


CES 2019, a maior feira de tecnologia do mundo:

veja a aqui a programação e todas as informações referente ao evento.

COMPARTILHAR

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here