Empreendedorismo criativo: talento, inspiração ou transpiração?

0

Cadeia da economia criativa inclui mais de 2 mi de empresas e movimenta R$ 735 bi no Brasil. Mas o que é preciso para fazer parte desses números?

O inventor da lâmpada Thomas Edison, um dos mais célebres inventores dos últimos séculos, alcançou esse posto também por suas frases memoráveis e inspiradoras, além das próprias criações geniais. Entre as frases, podemos destacar que “a genialidade é 1% inspiração e 99% transpiração”.

Ela responde bem àquelas demonstrações de espanto que costumamos expressar quando nos deparamos com uma novidade que consideramos criativa: “Mas como eu não pensei nisso antes? Era tão óbvio”.  Certamente, seguindo a lógica de Edison, porque muitas vezes nos apegamos somente ao 1% de inspiração.

Há apenas alguns anos, quem daria ouvidos a alguém que decidisse produzir e vender pela internet chaleiras esmaltadas decoradas – como aquelas usadas por nossas bisavós para fazer o café – ou pantufas no formato dos tradicionais sapatos femininos holandeses, para citar apenas dois exemplos?

No entanto, houve quem soubesse somar inspiração à transpiração para transforar essas e outras milhares de ideias em negócios bem sucedidos. E hoje temos o empreendedorismo ou economia criativa. Essa modalidade de empreendimento geralmente é associada à inventividade, inteligência e talento para criar algo genial e revolucionário. Mas será mesmo?

Não necessariamente. O importante quando se busca empreender de forma criativa é procurar quebrar os padrões convencionais, fugir dos modelos prontos e formulados, procurando soluções alternativas, diferentes do que já existe. Recorrendo ao dito popular, é “pensar fora da caixinha”.

Capital intelectual

Mas o que é, então, empreendedorismo criativo? De acordo com o autor inglês John Howkins no livro “The Creative Economy” (A Economia Criativa, em tradução livre), publicado em 2001, é o exercício da imaginação e exploração do seu valor econômico pelo empreendedor. Ou seja, o conhecimento, a criatividade e o capital intelectual são a matéria-prima para a criação, produção e distribuição de bens e serviços.

As definições podem variar, mas não há fórmula mágica que fuja dos 99% de transpiração sobre a ideia criativa. Conforme os especialistas, o empreendedor criativo também precisa analisar o mercado, identificar oportunidades, definir o produto ou serviço, estabelecer metas, segmentar e posicionar seu produto, além de definir estratégias de venda.

Criatividade no mercado

Segundo o Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena Empresa (Sebrae), especialista em pequenos negócios, o Brasil está entre os grandes produtores mundiais de criatividade. De acordo com levantamento feito pela instituição, a cadeia da indústria criativa, que inclui atividades relacionadas e de apoio, movimenta mais de 2 milhões de empresas no País.

“Com base na massa salarial gerada por essas empresas, estima-se que o núcleo criativo gera um Produto Interno Bruto (PIB) equivalente a R$ 110 bilhões, ou 2,7% do total produzido no país. A cifra chega a R$ 735 bilhões, se considerada a produção de toda a cadeia, equivalendo a 18% do PIB nacional”, informa o site do Sebrae.

Para quem deseja entender melhor esse mercado, o Sebrae disponibiliza gratuitamente o “Guia do empreendedor criativo”, no qual é possível conhecer o panorama da cadeia da indústria criativa e as iniciativas que fazem do setor da economia criativa, além dos comportamentos empreendedores que trazem sucesso para empresas do setor.

COMPARTILHAR

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here