China construiu uma economia global em 40 anos.

0

por Bloomberg Businessweek em 15/12/2018.

As reformas de Deng, em 1978, deram força econômica à China. Agora Xi quer mais.

Fred Hu nunca esquecerá o terror nos olhos de seu professor de ciências quando o homem foi arrastado para uma cadeia chinesa durante a Revolução Cultural de Mao Zedong. Então um garoto de 12 anos espiando a sala de aula, seu sonho de escapar da pobreza rural para se tornar um jornalista ou professor parecia sem esperança.

FOTÓGRAFO: QILAI SHEN / BLOOMBERG

Dois anos depois, sua esperança foi reacendida quando o líder entrante Deng Xiaoping reiniciou os exames de ingresso na universidade no final de 1977, permitindo a todos os estudantes competirem por um lugar na faculdade.

“Pela primeira vez havia um caminho claro à nossa frente”, disse Hu, que passou a fazer mestrado em Tsinghua e Harvard, trabalhar para o Fundo Monetário Internacional e liderar o Goldman Sachs Group Inc. na China. “O tumulto estava atrás de nós. Uma nova era havia chegado ”, disse o fundador da Primavera Capital Ltd., um fundo de private equity com sede em Pequim.

Nos anos que se seguiram, Hu e centenas de milhões de pessoas deixaram o campo e montaram negócios nas cidades ou foram trabalhar nas fábricas que impulsionaram a China a se tornar a segunda maior economia do mundo. As reformas de Deng, lançadas oficialmente há 40 anos em 18 de dezembro, em uma reunião do Comitê Central do Partido Comunista, precipitaram uma das maiores criações de riqueza da história, tirando da pobreza mais de 700 milhões de pessoas.

Um pequeno triciclo percorre uma estrada perto do município de Xintang, na província de Hunan.FOTÓGRAFO: QILAI SHEN / BLOOMBERG.

Mas as mudanças também lançaram as sementes de muitos dos problemas que a China enfrenta hoje. Duas décadas de crescimento a qualquer custo sob os presidentes Jiang Zemin e Hu Jintao, a partir de 1993, selaram a nação com rios poluídos e céus poluídos, além de uma montanha de dívidas. Durante esse período, a China tornou-se profundamente integrada à economia global, uma tendência que se acelerou após a adesão à Organização Mundial do Comércio, em 2001.

Quando o presidente Xi Jinping assumiu o poder em 2013, muitos esperavam que ele se tornasse um líder na veia reformista de Deng. Mas enquanto Deng queria que suas reformas baseadas no mercado enriquecessem a China, Xi reafirmou o controle do Estado em um esforço para transformar o país em uma superpotência política e tecnológica.

“Um dos objetivos primordiais de Xi em termos de gestão econômica é declarar efetivamente, se não formalmente, o fim da era da reforma à la Deng Xiaoping”, disse Arthur Kroeber, sócio-fundador e diretor da firma de pesquisa Gavekal Dragonomics. Enquanto Deng e líderes subsequentes reforçavam o papel das empresas privadas na economia e reduziam a do estado, Xi parece pensar que o equilíbrio agora está certo, disse Kroeber.

Deng Xiaoping em 1976.FOTÓGRAFO: ARQUIVOS BETTMANN VIA GETTY IMAGES.

Desdenhando o conselho de Deng para que a China ficasse abatida e aguardasse, Xi se defrontou com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e com outros líderes mundiais, frustrados por anos de Pequim tentando abrir seus mercados para empresas estrangeiras. Os críticos da China dizem que as empresas domésticas que agora aspiram à dominação global em tecnologia e comércio foram aumentadas com subsídios estatais ou empréstimos baratos enquanto estão protegidos da concorrência estrangeira.

O impasse causou a Xi alguns de seus primeiros retrocessos políticos e uma reviravolta incomum nas críticas públicas na China. Até mesmo o filho de Deng fez uma repreensão velada em um discurso em outubro, instando o governo da China a “manter uma mente sóbria” e “saber o seu lugar”.

O confronto ocorre em um momento crítico para a China, que tenta evitar cair no que os economistas chamam de armadilha de renda média, em que a renda per capita diminui antes que uma nação se torne rica. Geralmente isso acontece porque o aumento dos salários e dos custos erode a lucratividade nas fábricas que fabricam produtos básicos como roupas ou móveis, e a economia não consegue dar o salto para indústrias e serviços de valor mais alto.

Apenas cinco economias industriais no leste da Ásia conseguiram escapar da armadilha desde 1960, de acordo com o Banco Mundial. Eles são o Japão, Hong Kong, Cingapura, Coréia do Sul e Taiwan.

Para se unir a eles, Xi deve supervisionar uma transformação nos mercados da China, injetar mais concorrência nos serviços financeiros, modernizar a tecnologia e endurecer a governança corporativa, ao mesmo tempo em que empreende uma guerra comercial com uma administração dos EUA empenhada em conter a ascensão do país asiático. O desafio de Xi é composto por uma força de trabalho que está envelhecendo, a dívida corporativa e local do governo e uma limpeza ambiental que levará décadas.

“Nenhuma grande economia que não seja democrática conseguiu superar a armadilha da renda média, então as probabilidades não estão a favor da China, mesmo sem a guerra comercial”, disse Steve Tsang, diretor do SOAS China Institute da Universidade de Londres. “Abandonar a abordagem dengista despertou o alarme no Ocidente, particularmente nos EUA. Isso torna a tarefa muito mais difícil”.

Xi JinpingFOTÓGRAFO: LINTAO ZHANG / GETTY IMAGES.

A China dependerá do legado desses migrantes e empreendedores que aproveitaram a abertura de Deng e estabeleceram empresas privadas e conquistaram uma indústria industrial após a outra. Hoje, o setor privado da China gera 60% da produção do país, 70% da inovação tecnológica e 90% dos novos empregos, segundo Liu He, principal assessor econômico da Xi.

Bancos Sombra

Muitas dessas empresas estão sentindo o impacto das campanhas de Xi para desalavancar a economia e combater a poluição. A repressão ao financiamento bancário paralelo sufocou uma importante fonte de financiamento durante os anos de expansão, enquanto centenas de milhares de pequenas empresas foram fechadas para roubar o meio ambiente.

Sua situação provocou uma pressão sem precedentes por parte dos formuladores de políticas este ano para persuadir os bancos a emprestarem mais para empresas não-estatais, uma campanha que Xi endossou ao proclamar seu apoio “inabalável” ao setor privado.

A resposta política não é robusta ou eficaz o suficiente e há o risco de um enfraquecimento ainda maior da confiança dos empresários e investidores que desencadeia um ciclo vicioso, disse Hu no domingo em entrevista separada à Bloomberg Television. Políticas voltadas para o setor privado são “incoerentes” com o serviço de bordo em apoio a ele e, então, regulamentações mais rigorosas impostas a ele, disse ele.

“O que o governo precisa fazer é remover a camisa-de-força que ainda sufoca os empresários”, disse ele. “Ainda há muitas regras, regras estúpidas. As coisas estão ficando mais difíceis. Espero que isso acabe com parte da complacência burocrática. ”

A cidade de Shenzhen.FOTÓGRAFO: JUSTIN CHIN / BLOOMBERG.

Em nenhum lugar os sucessos e desafios dos empreendedores da China são mais aparentes do que em Shenzhen, que ao longo das quatro décadas evoluiu de uma vila de pescadores para uma cidade industrial até um centro de exportação e no cintilante polo tecnológico que é hoje.

Andy Yu, natural de Wuhan, na China central, é típico das pessoas que fizeram da cidade de imigrantes um sucesso. Ele veio para Shenzhen em 2003 para trabalhar em uma empresa de tecnologia e montou sua própria fabricante de celulares, a Shenzhen Garlant Technology Development Co., alguns anos depois.

“Algumas pessoas dizem que a China só pode fabricar lixo barato, mas isso não é verdade”, disse Yu. “A China pode fazer produtos realmente bons e é por isso que empresas como a Apple têm fábricas aqui. A China tem a melhor relação preço-qualidade em qualquer lugar. ”

Yu acredita que a combinação de boa qualidade a preços baixos permitirá que sua empresa se livre das tarifas de Trump. Cerca de um quinto das vendas anuais de US $ 150 milhões da Shenzhen Garlant vêm dos EUA e estão sujeitas a uma tarifa de 10%, que pode subir para 25% no ano que vem. Yu disse que pode repassar o aumento de custos aos clientes porque seus concorrentes ocidentais vendem a preços muito mais altos, enquanto os fabricantes rivais no sudeste da Ásia e na América Latina ficam muito atrás em tecnologia.

A trajetória de Shenzhen Garlant mostra como os beneficiários das reformas de Deng tiveram que se adaptar para sobreviver. A empresa ainda projeta e comercializa seus produtos a partir de Shenzhen, mas sua fábrica de 300 operários está agora na província de Hubei, na China Central, onde os salários são mais baixos. Yu está considerando aumentar a automação e construir uma nova fábrica no oeste do país, na fronteira com Mianmar, que ele poderia contratar com imigrantes birmaneses que ganham metade do que os trabalhadores chineses fazem.

Para atingir o objetivo de Xi de dominar as tecnologias-chave, delineadas em seu modelo “Made in China 2025”, o país precisará fazer mais do que fazer telefones e laptops de alta tecnologia. No entanto, o modelo de Xi de mais controle governamental, associado a restrições mais rígidas aos empréstimos, poderia inibir a inovação. 

“Este ano, a era de ouro para as startups terminou”, disse Wang Gaonan, um dos empresários da nova geração que está promovendo mudanças na economia chinesa. “É quase impossível encontrar investidores. A pista desapareceu. Se eu tivesse me formado em 2015, em vez de 2012, seria tarde demais para mim ”.

Programadores trabalhando com equipamentos de captura de movimento na sede da Capstone Games em Pequim.FOTÓGRAFO: GILLES SABRIE / BLOOMBERG.

Wang, que tem mestrado em engenharia industrial na Universidade da Califórnia, em Berkeley, comanda a Capstone Games, criadora dos jogos de futebol de terceiro e quarto lugares na loja de aplicativos da Apple na China. Fundada em 2013, a receita anual da empresa de Pequim mais do que dobrou a cada ano, atingindo cerca de 150 milhões de yuans (US $ 21,8 milhões).

Controles mais rígidos em novos lançamentos de jogos na China, onde o governo está preocupado com os efeitos do vício em dispositivos para crianças, juntamente com uma desaceleração da economia, levaram Wang a buscar crescimento no exterior. A Capstone planeja lançar um aplicativo no Reino Unido em março.

Controle mais apertado

Xi também restringiu as atividades de publicações on-line às empresas privadas que cresceram como resultado das políticas de Deng, reafirmando o controle do partido sobre os negócios e por meio de regulamentações, empresas estatais e bancos de propriedade do governo. O impacto econômico desses controles só aparece depois de um tempo, por isso é difícil avaliar o efeito agora, disse o economista ganhador do Prêmio Nobel Michael Spence, professor da Stern School of Business da Universidade de Nova York. “Levou muito longe que poderia criar obstáculos para a inovação”, disse ele.

No entanto, mesmo com os obstáculos políticos e comerciais, a nova economia digital, os serviços e os produtores de maior valor poderiam manter a China no caminho para se juntar às fileiras das nações ricas, disse Spence. “Uma guerra comercial que se expandirá para a tecnologia e o investimento transfronteiriço desacelerará a China – e não apenas a China -, mas provavelmente não atrapalhará esse progresso”, disse ele.

A economia expandiu 6,5 por cento no terceiro trimestre, o ritmo mais lento desde o rescaldo da crise financeira global em 2009. Mas se a China conseguir manter a taxa acima de 5 por cento nos anos 2020, os níveis de renda per capita diminuirão a diferença entre nações desenvolvidas. , disse Kroeber, que é o autor de “Economia da China: o que todo mundo precisa saber”.

Ainda assim, os níveis médios de renda apenas contam parte da história. De volta à pequena cidade rural de Xintang, na província de Hunan, onde Fred Hu viu seu professor preso há mais de meio século, a desigualdade criada pelo boom da China é evidente.

Escola Secundária Miluo Xintang em Xintang.FOTÓGRAFO: QILAI SHEN / BLOOMBERG.

A pintura nas paredes da Escola Secundária que Hu frequentou está descascando. O aquecimento é mínimo, e é por isso que, em um dia frio de dezembro, os alunos sentam-se em suas mesas usando jaquetas de inverno. Os padrões de educação ficam para trás nas cidades, disse o professor sênior Pan Yuezhong, 60 anos. Cerca de 80% dos alunos são “crianças de esquerda” – crianças cujos pais saíram para empregos mais bem remunerados, geralmente na costa industrial e que são cuidadas por avós, parentes ou amigos.

“A China não conseguiu investir em seu ativo mais importante: seu pessoal”, disse o economista Scott Rozelle, da Universidade de Stanford. “Tem um dos níveis mais baixos de educação”.

Fred Hu, da Primavera Capital, vê riscos significativos na economia chinesa nos próximos dois anos.

De acordo com o próprio país de 2015, apenas 30% da força de trabalho terminou o ensino médio. Isso coloca a China atrás de todos os outros países de renda média, incluindo México, África do Sul, Tailândia e Turquia. Embora isso não tenha impedido o país de se tornar uma potência de fabricação, sem dúvida impedirá sua evolução em uma economia mais avançada e baseada no conhecimento.

Nas cidades da China, as faculdades produziram mais de 8 milhões de graduados este ano. Mas o problema está no interior da China negligenciado, de acordo com Rozelle. Os trabalhadores rurais têm apenas um quarto da probabilidade de ter uma educação secundária no ensino médio. Mas as áreas rurais respondem por 64% da população total da China e mais de dois terços de seus filhos.

Pior ainda, uma em cada cinco pessoas em Miluo, uma cidade do condado que supervisiona Xintang, tem mais de 60 anos, uma tendência demográfica que permeia a maior parte do país e que se tornará uma carga crescente na economia em custos médicos e cuidados .

Mesmo em Xintang, as coisas são melhores do que nos dias sombrios da Revolução Cultural, quando as pessoas usavam lâmpadas de querosene para luz, panos para sapatos e arroz eram tão preciosos que muitas vezes eram salvas para idosos, crianças ou doentes, disse Hu. Fuxin, cujo dialeto local foi traduzido por Pan, o professor. Vestindo um casaco grosso e uma colcha sobre as pernas para se aquecer na sala de estar de sua modesta casa, a ex-professora de 78 anos lembrou-se de Fred Hu como aluno modelo.

Grandes cartazes de propaganda com o ex-líder Deng Xiaoping e o atual presidente chinês Xi Jinping estão do lado perto de Xintang.FOTÓGRAFO:QILAI SHEN / BLOOMBERG.

Hu Primavera Capital investe em novas empresas de economia como a plataforma de serviços financeiros online Ant Financial Services Group e Xunlei Ltd. Ele disse que a criatividade, inovação e visão dos empreendedores chineses é igual àquelas no Vale do Silício e outros centros de tecnologia e acredita que a China ainda pode ascender ao status de mundo desenvolvido. No entanto, ele está cada vez mais preocupado com a direção da política do país sob Xi.

“A China está no caminho certo, mas todo mundo quer saber se eles vão acelerar o processo de reforma que Deng iniciou há 40 anos ou eles vão desacelerar ou recuar”, disse ele. “A falta de reformas pode impedir a China de realizar plenamente seu potencial econômico”.

*Com a ajuda de Kevin Dharmawan, Hannah Dormido, Xiaoqing Pi e Tom Mackenzie (Atualizações com aspas, parágrafos 17-18)

Fonte: www.bloomberg.com/businessweek.

COMPARTILHAR

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here